Agora era altura de todos se prepararem para se juntarem a Olívia. Não havia sapatos? Para irmos para a América precisávamos de sapatos. Mas já que a nossa mãe estava em New Bedford não haveria problema. Ela escreveu ao nosso pai, e a Tia Lucília leu e respondeu o que era preciso. Tratava-se simplesmente de uma questão de medir os pés de cada garoto com fios, cortá-los ao tamanho apropriado, atar os pares juntinhos e enviá-los num envelope para a América. E assim foi. Umas semanas depois, todos tinham sapatos pela primeira vez! Nunca tínhamos calçado sapatos. Fantástico! Agora nós íamos para a América...

Bem cedo de madrugada, por volta das três, nem se podia falar alto... Todos a sussurrar. Não queríamos acordar a vizinhança. Queríamos partir sem cerimónias. Havia um certo nervosismo curioso no ar na atitude de todos. A Avó Nogueira e a Tia Lucília, que moravam logo ali ao lado, estavam em nossa casa, ajudando-nos nos preparativos da partida. Confusos com aquilo tudo, precisando de nos lavarmos bem lavadinhos, vestindo a roupa de Domingo (e não era Domingo!)... era tudo demais. As crianças queriam saber o que estava a acontecer e perguntaram ao pai. A resposta, em voz tão sussurradinha, foi: “Vamos para a América!” Em breve, foram abraços e beijos e lágrimas... Ninguém sabia que íamos partir nessa altura, mas a Tia Ludevina, do outro lado da rua, viu luz acesa, suspeitou algo e foi lá ter pouco antes de partirmos. Ela também nos abraçou e beijou e chorou, como a Avó Nogueira e a Tia Lucília...

Saímos da Feteira Grande por volta das quatro e meia da manhã e fomos a pé para a Feteira Pequena. Daí, a camioneta levou-nos até Lomba da Maia, onde, à espera da camioneta da tarde para Ponta Delgada, ficámos em casa dos amigos Mariano e Maria José Leite. Partimos então para a “cidade”, ou seja, Ponta Delgada, lugar nunca antes visitado pelas crianças. Ao cabo de muito tempo, a camioneta finalmente entrou numa garagem grande. Ainda podemos recordar o cheiro daquele fedorento óleo diesel que vinha do tubo de escape do veículo durante a viagem. Dentro da garagem, era ainda muito pior...

Devido a demoras, tivemos que ficar alojados em Ponta Delgada por uns dias. Estivemos com uma família conhecida da Avó Nogueira na casa dos senhores Luís e Elvira Carvalho, na Rua da Mãe de Deus, ali perto do Jardim da Cidade. O jardim tinha algo que nunca tínhamos visto: um grande lago de pedra e cimento contendo peixes dourados. Essa foi a primeiríssima vez que vimos lâmpadas eléctricas e peixes dourados num lago. Na Feteira, tínhamos apenas candeeiros de petróleo. E, regra geral, comíamos chicharros ou sardinhas. Nunca eram da cor do ouro...

Era de dia quando, a 13 de Janeiro de 1954, em Rabo de Peixe, abordámos a avioneta de oito passageiros da SATA para atravessarmos o mar com destino a Santa Maria. Foi meia-hora de aventura naquela viagem aérea da ilha Verde até à ilha de Gonçalo Velho Cabral..

A nossa Maria encontrava-se petrificada de medo. Não parava de berrar. A Dortina, por outro lado, tornou-se palidíssima, mas não levou muito tempo para que se juntasse às melodias do coro de Maria. O bébé Jeremias agarrava-se com toda a força ao pescoço do pai e tremia a sério. Nunca chorou! Oliverio e Idalino, embora pálidos e cheios de medo, deliciavam-se com a aventura sem comparação, especialmente quando a avioneta virava ora para a direita, ora para a esquerda, e se via pelas janelas aquele grande mar lá em baixo. O pai sempre sério, cara de preocupado. Naturalmente, todos nós temíamos o desconhecido...

Finalmente chegámos e tivemos que esperar ainda mais tempo perto do aeroporto de Santa Maria, construído pelos americanos poucos anos antes. Dormimos numa pensão. E então, bem de noite, cerca da uma no dia 15, um grande carro preto levou-nos ao terminal do aeroporto. Não era muito longe. Em breve estaríamos a bordo daquele grande avião Constellation da TWA, um monstro de quatro hélices. Tremíamos de tanto medo e também da frialdade daquele embarque às duas da manhã de um Inverno açoriano, em pleno Janeiro.

Nunca na nossa vida tínhamos entrado num avião daqueles, nem tampouco visto um em terra ou no ar, grande ou pequeno, e não sabíamos fazer comparações. A pequena SATA fora a nossa primeira experiência. Ora, ao nos aproximarmos ao TWA, ficámos verdadeiramente afligidíssimos. Que coisa colossal, santo Deus do Céu! Éramos tão pequeninos. Tremíamos ainda mais e os dentes batiam ao ritmo de castanholas - ai-Jesus querido!!!

Hospedeiras com nunca vimos, lábios pintados a vermelho e falando de um modo esquisito, puseram-nos nos nossos lugares. A princípio, uma delas sentou as crianças em lugares separados do pai. Claro, ele zangou-se logo e queria, por força, que ficassem todos a sua roda. Embora não sabendo uma única palavrinha inglesa que fosse, ele fez lá os seus gestos e a hospedeira fez os seus para trás e para diante, mas por fim o pai venceu! Todos juntinhos. Ele tinha jurado a nossa mãe que tomaria boa conta de nós. A hospedeira deu às crianças tubos longos contendo no interior cores tão bonitas que formavam desenhos quando se viravam. Eram caleidoscópios. Que coisa tão linda! Nunca havíamos visto coisa semelhante em toda a nossa vida! Coisas curiosas...

Sede? Onde estava a água? Vimos e fomos lá ter um grande garrafão virado de cima para baixo. E, ao lado, vimos dois homens a levar à boca copinhos branquinhos. Ficamos entusiasmados com as bolhinhas dentro do garrafão à medida que se mexia na torneira. Os homens viram que tínhamos sede e deram-nos copinhos de água fresquinha, tão fresquinha como nunca dantes. Depois, até fomos lá ter mais vezes para beber agua, mas especialmente para nos entretermos, vendo o que nunca tínhamos visto - as bolhas a saltitar quando se tirava água da torneira! Fascinante... Quanto à comida? Cheirava mal, e o gosto ainda pior... A casa-de-banho? Ninguém sabia onde estava. Toda a nossa vida na Feteira Grande andámos na pobreza com casinha de pedra e porcos sempre cheios de fome.

Não havia nada, absolutamente nada, que se parecesse com a nossa casinha e a nossa retrete. O que fazer então? O nosso pai estava demasiadamente apertado. Os filhos também precisavam... Ele pensou que, vergonha ou não, seria ali mesmo que molharia as calças, uma vez que não havia retretes. Mas, que diabo, os americanos não têm retretes??? Subitamente, ele viu um homem a sair de uma portinha. Por curiosidade, procurando o possível e o impossível, enfiou a cabeça, notou que havia um buraco, mas coisa moderna e chique. P’ró bem ou p’ró mal, foi ali mesmo onde o alívio total se tomou história, para sempre obrigado, Senhor...

Aterrámos na Terra Nova, Canadá, umas cinco horas depois, mais ou menos, para reabastecimento de combustível. Não se saiu do avião, mas viu-se pelas janelas as coisas mais estranhas: homens vestidos com casacos grandes e grossos, com capuzes de pele na cabeça. Ainda mais estranho era toda aquela brancura. Que experiência fantástica. Pela primeira vez vimos “sino” ou neve, o que parecia tanto açúcar como farinha branca para pão...

Que fartura... Cerca de meia-hora depois, de novo no ar, direcção a Boston. As hospedeiras periodicamente perguntavam-nos se queríamos leite, mas em espanhol (que desconhecíamos por completo): “Quieres leche?” Entendíamos “quieres”, mas já “leche” não. E então abanávamos sempre a cabeça, indicando “não”. Pareciam tão estranhas as palavras que saíam da boca da hospedeira - tentando falar a nossa língua, e dizendo nada mais, nada menos do que “Quieres leche”. Ora essa! Afinal éramos Portugueses e não espanhóis. Mas, na realidade, se tivéssemos sabido que “leche” era “leite”, teríamos aproveitado todas as vezes. Teríamos adorado. Era raríssimo bebermos leite na Feteira Grande...


page 1 - page 2 - page 3 - page 4 - page 5 - page 6 - page 7

Português ptflag

Support is Needed

  • Without your support we cannot continue our work to research, educate and archive information concerning the Portuguese and related groups. All donations are tax deductible. PAHR Foundation is a federally recognized 501c3 non-profit organization.
  • Order Books


  • Contact Us

  • Non-Profit organization incorporated under the laws of North Carolina.
    Dedicated to the Research of Early American History and the Portuguese Making of America. 501 (c) (3)

armillary

  • Updated:
    November 18, 2011